• Fabiola Aurich

O quarto montessoriano

Maria Montessori defendeu por toda a vida que o movimento é a expressão da inteligência e que a criança precisa dele para se desenvolver plenamente. Ou seja, uma criança que passa mais tempo no chão, em um ambiente que lhe proporcione explorar, movimentar e aprender por si só, consegue interagir com a vida de uma forma surpreendente. Uma maneira de proporcionar esse aprendizado para seus filhos é ter em casa um quarto montessoriano. E não precisa de rios de dinheiro. Então, vamos conhecer?


Diga-me o quanto se movimenta uma criança, e eu lhe direi o quanto sua mente absorve do mundo.

Maria Montessori


O objetivo do quarto montessoriano é oferecer um lugar onde todos os móveis e objetos estejam acessíveis e aos olhos da criança. Deve ser preparado de maneira que a criança possa ter, ao seu alcance, elementos que estimulem seu aprendizado e autonomia de forma segura. Sendo assim, todos os objetos posicionados no quarto devem estimular o desbravamento, a curiosidade e a descoberta, e como consequência, a autoeducação. Lá, elas descobrirão que são fortes e autônomas o suficiente para se movimentar e descobrir o mundo sozinhas.


Elementos essenciais em um quarto montessoriano


Cama baixa ou colchonete no chão – A principal característica do quarto montessoriano é a ausência do berço, que é substituído por camas baixas, futons ou colchonetes.


Imagem: Flickr/Nadia & Montessori

Espelho – Ter um espelho à altura dos olhos da criança faz com que ela se conheça melhor. O espelho deve ser emoldurado em uma placa de MDF ou madeira e preso à parede para evitar que se quebre e eventualmente machuque a criança.


Imagem: maternarebrincar.wordpress.com

Barra fixada à parede – Para ajudar a criança a ficar em pé e andar sozinha.



Imagem: Mundoemcores.com

Tapete – Deve ser antiderrapante, antialérgico e resistente. Serve para estimular o tato e delimitar a área de brincar.


Armários e prateleiras baixos – Para armazenar brinquedos, revistas e livros. O guarda-roupas também deve ter uma parte baixa, contendo algumas peças de roupa para que a criança também possa ter autonomia ao se vestir e escolher a própria roupa.


Imagem: vivadecora.com.br

Use a abuse de cores, objetos decorativos e adesivos de parede. E por falar em parede, permitir que a criança desenhe e escreva na parede é igualmente uma ótima ideia. Use tintas laváveis ou tenha uma parede de lousa onde a criança tenha liberdade para fazer a sua própria “bagunça”.


Para garantir a segurança do ambiente, vale à pena ficar atento a alguns detalhes:

  • evite móveis com quinas vivas;

  • proteja as tomadas com tampas próprias e se possível, esconda-as atrás dos móveis;

  • escolha móveis que tenham estabilidade e não tombem em cima da criança;

  • use acrílico ao invés de vidro;

  • escolha um piso que seja adequado a quedas. Um exemplo é o piso vinílico, que evita escorregões, tem proteção térmica e pode ser colocado sobre o piso já existente.

Enfim, tenha um ambiente totalmente planejado para a criança e não para o adulto. Permita que ela tenha um local dela, onde se sinta livre e segura para explorar e aprender. Criança livre é criança feliz!

4 visualizações0 comentário